Quinta, 13 de dezembro de 2018
(86)9 9942-9377
Saúde

30/11/2018 ás 04h39 - atualizada em 29/11/2018 ás 22h56

Sebastião Silva Neto-Jornalista DRT-0002001/PI

Piripiri / PI

Sete em cada 10 inscritos no Mais Médicos no Piauí devem deixar o SUS
Segundo o Conasems, dos 199 inscritos no Mais Médicos, 152 já atuavam na Estratégia de Saúde da Família e devem pedir demissão até dia 14 de dezembro
Sete em cada 10 inscritos no Mais Médicos no Piauí devem deixar o SUS
Sete em cada 10 inscritos no Mais Médicos no Piauí devem deixar o SUS

Dados divulgados ontem (29) pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), acenderam um alerta nos municípios com profissionais atuando na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Isso porque, 7 em cada 10 inscritos no novo edital do Mais Médicos no Piauí, já atuavam em outros serviços do SUS, em especial no ESF, e devem pedir desligamento do cargo para atuar no programa federal.


O levantamento aponta que dos 199 inscritos no Mais Médicos no Piauí, 152 já atuavam na Estratégia de Saúde da Família, sendo 93 em municípios piauienses. Segundo o relatório, esse número pode ser ainda maior se forem contabilizados os médicos que atuam em outros serviços do SUS, incluindo hospitais e UPAS.


De acordo com o Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí (Cosems/PI), profissionais de pelo menos cinco municípios piauienses já pediram demissão para atuar no Mais Médicos, os médicos atuavam nos municípios de Pajeú, Beneditinos, Água Branca, União e São Pedro do Piauí. Além destes, outros municípios ainda podem perder médicos do ESF até o dia 14 de dezembro, prazo final para entrada no Mais Médicos, entre eles: Teresina (6), Campo Grande do Piauí (3), Floriano (3), Isaías Coelho (3), Joaquim Pires (3), Parnaíba (3), Piracuruca (3), Piripiri (3), Picos (2), Caracol (2), Boqueirão do Piauí (2), Altos (2), entre outros.


A preocupação das Secretarias Municipais de Saúde é de que essa migração de médicos deixe um “buraco” nos postos de ESF. “A solução para alguns afeta diretamente outros municípios, pois estes perdem profissionais que atendem diariamente uma média de 30 pacientes, entre eles, gestantes, crianças, idosos, hipertensos, entre outros. Essas pessoas vão ficar desassistidas até que o Ministério abra um novo edital para novos médicos”, destaca a presidente do Cosems/PI, Leopoldina Cipriano. Para ela, o desligamento dos profissionais para assumir os novos cargos está relacionado ao fato do Programa Mais Médicos oferecer bolsas de R$ 11,8 mil, valor superior ao pago em muitos municípios no ESF e isento de encargos sociais como INSS e imposto de renda. “Existem municípios que pagam o mesmo valor, só que no Mais Médicos eles são isentos de todas essas taxas, por ser uma bolsa. Por isso, o médico acaba optando por ir para o Mais Médicos”, explica.


Em nota, o presidente do Conselho Nacional, Mauro Junqueira, afirmou que “ao invés de somar profissionais, esse novo edital está trocando o problema de lugar. Se o médico sai de um serviço do SUS para atender em outro, o município de origem fica desassistido, independente se esse médico se desloca da atenção básica ou da especializada, principalmente em relação ao norte e nordeste onde todos os estados têm municípios com perfil de extrema pobreza e necessitam da dedicação desses profissionais que já estão trabalhando”.

FONTE: Jornal ODIA

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium